SOM EM 3D NA ENGENHARIA CIVIL

A nossa vida decorre num mundo a quatro dimensões, três das quais espaciais e a quarta, de índole bem específica, o tempo.

Assim, na nossa experiência corrente de escuta, somos capazes, em relação a uma qualquer fonte sonora, de identificar a distância a que se encontra, bem como a posição em elevação e azimute, para além de, obviamente, sabermos quando emite e quando cessa a emissão.As tecnologias de som 3D visam criar a ilusão da perceção em condições como naturais, em ambientes que representam “realidades construídas”.

Assim, por exemplo em teleconferências, poder-se-á, graças a técnicas de espacialização dos sinais sonoros emitidos pelos locutores, tornar “mais naturais” as comunicações, todavia as possibilidades de aplicação transvasam largamente o domínio profissional: imagine-se a ir a um concerto – e estamos em época onde abundam – e pretender compartilhar com amigos a envolvência sonora que experimentou, “transportando-os” para tal envolvência …

Para tornar tudo isto possível, há que desenvolver tecnologias apropriadas de codificação dos sinais, sua transmissão, decodificação na receção e adaptação ao sistema de escuta. Embora o multimédia tenda a generalizar-se, o áudio mantém-se como via privilegiada de comunicar. A telefonia, limitada durante muito tempo à banda passante de (300 Hz – 3400 Hz), viu-se, no início deste século, com esta banda aumentada substancialmente (50 Hz – 7000 Hz), o que se traduziu em melhoria considerável da qualidade das comunicações.

Outra alteração importante foi a passagem ao estereofónico, multicanal, o que veio colocar problemas a respeito do transporte dos fluxos de informação correspondendo a diversos canais, requerendo o desenvolvimento de codecs dedicados ao áudio. Uma questão também crucial é a da compatibilização dos conteúdos áudio multicanais com os dispositivos de que dispõe o auditor para a escuta, verificando-se, face à heterogeneidade de formatos, a necessidade de dispor de ferramentas que adaptem os conteúdos ao dispositivo de restituição disponível.
E, em concreto, o que poderemos esperar, como utilizadores?

som-3d

Talvez, para breve, o conceito de “telepresença”, introduzido no final do século passado, se estabeleça de modo a permitir dar a ilusão, às pessoas em comunicação, que se encontram presentes no mesmo espaço.
O reforço do estar junto na virtualidade! Será que isto poderá contribuir para melhor aproximar do outro real? Agora que, embora muito afastado espacialmente, o posso “ter” ali junto a mim serei capaz de o apreciar mais irmãmente? Interrogações a que, cada um de nós, terá de dar resposta, a sua resposta.

Como em muitas outras situações, é difícil delimitar tudo o que pode ser imaginado e que a técnica consiga materializar. Todavia, na comunicação a distância, o telefone permanece, nas utilizações correntes paradoxalmente monofónico.

Tagged . Bookmark the permalink.

About Carla Alves

Carla Alves, Licenciada em Engenharia Civil pela Universidade da Beira Interior. Engenheira Civil Efectiva da Ordem dos Engenheiros. Faço projectos de especialidade de Engenharia Civil com freelancer e estou à procura de um emprego em Engenharia Civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *