OUVIR E ESCUTAR – Muitos ouvem e poucos escutam

Muitos ouvem e poucos escutam
Provérbio popular

Quando uma fonte sonora emite, fornece energia mecânica às partículas do ar na sua vizinhança e estas entram em vibração. Esta vibração transmite-se, o processo progride, dizendo-se que se está perante ondas sonoras em propagação. Em consequência, certas características da atmosfera na zona onde ocorre esta propagação vão sendo alteradas e essas alterações irão atingir o auditor.
O conhecimento da audição humana parece apresentar ainda muitas lacunas e o que se considera esclarecido apresenta-se complexo, de modo que apenas se farão referências sumárias à descrição deste processo.
0 ouvido é um órgão par e simétrico situado na extremidade cefálica, o que permite que complemente a função visual.

O sistema auditivo global integra um conjunto de órgãos periféricos e regiões específicas no sistema nervoso central. Os órgãos periféricos compreendem o pavilhão auricular e o canal auditivo externo (que constituem o ouvido externo), o tímpano e um sistema ossículo-muscular (ouvido médio) e, finalmente, as estruturas membranosas e os líquidos do ouvido interno, de cujo movimento resulta a estimulação do órgão de Corti e a transformação da solicitação mecânica numa de índole nervosa.

A importância do sistema auditivo periférico resulta do facto de ser ele quem, em situações normais, determina as condições em que se processa a audição, pois que toda a informação auditiva que o sistema nervoso central pode utilizar deve ser transmitida pelos órgãos sensoriais que são, assim, os que impõem os limites globais de atuação. E fazem-no conferindo à audição uma sensibilidade muito elevada, todavia adaptada, de modo que estímulos cuja perceção não tem interesse para o auditor não sejam apercebidos como sons, que pudessem mascarar aqueles que assumem importância para a sua relação com o ambiente em torno.

Quando a intensidade se torna muito elevada, a audição transforma-se em dor e a audição pode ser afetada, com maior ou menor tempo de exposição, consoante a intensidade do estímulo.

É corrente, no domínio em causa haver referência, indiferentemente, a ouvir e escutar que, todavia não são, em boa verdade, sinónimos, como mesmo a sabedoria popular o aponta.
Ouvir podemos dizer que será uma ação passiva, consequência do funcionamento instintivo do sistema auditivo, que capta involuntariamente os sons à nossa volta numa reação a estímulos externos . Escutar é uma ação ativa, pois requer focalização da atenção, uma habilidade, que pode ser melhorada ou perdida.

A redução da aptidão para escutar não significa ficar surdo, mas sim ser dominado por ações diversas de mascaramento, a que a sobrecarga de informação, que está a tornar-se uma autêntica epidemia num mundo que está a trocar conveniência por conteúdo e velocidade por significado.

Saber escutar o mundo que nos rodeia, escutar o Outro e saber escutar-se, receita difícil, talvez, mas de eficácia garantida como uma das chaves para a felicidade que todos procuramos e a que todos temos direito.

RUÍDO E SAÚDE

Era uma vez um menino que não ouvia bem, pelo que deveria usar um aparelho auditivo, que o menino recusava usar, dizendo que os super-heróis das suas bandas desenhadas preferidas não usavam tais artefactos.

s pais do menino resolveram escrever ao editor das bandas desenhadas  e … este respondeu criando  um super-herói que também usa um aparelho auditivo.

O menino ficou feliz e, por certo, nós com ele: um pouquinho de compreensão pode fazer tanto…

Tagged , . Bookmark the permalink.

About Carla Alves

Carla Alves, Licenciada em Engenharia Civil pela Universidade da Beira Interior. Engenheira Civil Efectiva da Ordem dos Engenheiros. Faço projectos de especialidade de Engenharia Civil com freelancer e estou à procura de um emprego em Engenharia Civil.

One Response to OUVIR E ESCUTAR – Muitos ouvem e poucos escutam

  1. Miguel says:

    Olá.
    É com agrado que vejo um blog dedicado a um assunto de saúde pública, que hipocritamente as “autoridades” encarregues de fazer cumprir as leis nada fazem, dimitindo-se das suas funções.
    O ruído hoje em dia, é um dos principais factores de stress para o organismo humano, conduzindo-o ao desiquilíbrio, devido ao níveis exorbitantes de ruído.
    Este desiquilíbrio, na maioria da população gera doenças.
    Os únicos que lucram no imediato com estas doenças, são os médicos e as farmacêuticas.

    Os níveis de ruído actuais ultrapassam o que o corpo humano consegue suportar, que como qualquer ser vivo, tem limites,ou dito de outra forma,tem uma velocidade de processamento, que quando é ultrapassada,entra em catabolismo, levando posterior ao esgotamento.

    Tenho bastantes exemplos de desrespeito pela lei do ruído no concelho onde resido,que apesar de ser essencialmente rural, Torres Vedras, devido á falta de respeito e de educação das pessoas, com a conivência das entidades que deviam fazer cumprir a lei, faz com que o ruído ultrapasse em muito os níveis do tolerável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *