ENGENHARIA ACÚSTICA

O Homem pensa! O Homem fala! Modos equivalentes de “nos descrevermos”, Pelo ritmo de percussões e silvos a criatura pré-antrópica terá ganho humanidade e a escuta terá deixado de ser pura vigilância para tornar-se apreciadora da criação.

Entende-se justificada a importância da componente acústica na conformação ambiental e da importância da sua análise, tendo-se presente, para além do aspeto referido atrás, que a sensibilidade muito elevada do ouvido humano (herança genética, justificada pela evolução da espécie) implica que as potências postas em jogo nos fenómenos acústicos sejam muito reduzidas. Daqui deriva a necessidade de atenção particular ao detalhe, que deverá caracterizar a prática da Engenharia Acústica, a traduzir-se nas implicações, em termos de ligações em fase de projeto, com outras Especialidades.

Projetar é construir “virtualmente”, modelar, seja por via analógica ou por via digital. O desenvolvimento experimentado pelos meios automáticos de cálculo fornece base para o desenvolvimento de técnicas de modelação digital, de utilização pode dizer-se que banalizada em engenharia e quase obrigatória no âmbito da Engenharia Acústica. As técnicas de modelação utilizadas podem traduzir aproximações diferentes à “realidade” em perspetiva, seja na caracterização dos campos sonoros na envolvência dos edifícios, na estimação das características dos isolamentos sonoros entre espaços, na apreciação da reverberação, na estimação das condições de inteligibilidade para a transmissão de mensagens com suporte sonoro e em quaisquer outros aspetos que se afigure deverem colocar-se. 

Engenharia acústicaO Projeto constitui uma representação apriorística da Obra, propiciando análise prospetiva de desempenho, com complexidade e conteúdo informativo diversos.

A modelação constitui uma reinterpretação esquematizante do real, mediante a polarização em parâmetros e variáveis chave. O modelo é uma ferramenta que tem o seu domínio específico de aplicação, e que só poderá ser útil (e muito!) se quem o utiliza tiver uma perceção clara dos limites do seu domínio de pertinência. O projetista é utilizador do modelo, não é o modelo que poderá ser um ”condutor” do “projetista”. O que, parece, nem sempre é entendido e daí que haja quem procure “modelos” que possam transformá-lo num projetista. Na situação em referência: a agulha (diz-se) não faz o alfaiate e …”infelizmente” o modelo não faz o projetista, nem na Engenharia Acústica nem na Engenharia em sentido lato…

Na época do pronto-a-usar há quem adquira dissertações de doutoramento (depois de, sabe-se la como, ter “adquirido” licenciaturas e mestrados…) porque não, então, pensar que, em supermercado real (ou online), poderá adquirir software que, conjugado com noções mais ou menos “embrulhadas”, adquiridas em “curso” de poucas horas e diploma vistoso, permita conduzir o processo… até à almejada faturação! Talvez seja uma manifestação do chico-espertismo nacional que José Gil tão bem descreve no seu “Em busca da identidade”…

Um Projeto bem elaborado é condição necessária para que a Obra, bem executada, possa vir a satisfazer.

As diversas áreas da engenharia apresentam especificidades próprias que, obviamente, terão de ser “dominadas” para a realização dos projetos que as interessam.

É assim, também, na Engenharia Acústica.

Haverá, sem dúvida, que ter conhecimento adequado dos fenómenos físicos em causa na propagação sonora e no estabelecimento de campos sonoros em recintos, mas não é suficiente…

Haverá que conhecer as técnicas de modelação que permitirão prospectivar desempenhos, no fundo a essência da atividade de projetar. Conhecimento que se traduz não só no modo de aplicar tais técnicas como no dos domínios de pertinência respetivos, o que não será suficiente…

Haverá que ter conhecimento do quadro legal aplicável, conhecimento da “letra” e do “espirito” dos requisitos em causa, mas não é suficiente…

Será preciso isto tudo e…mais algo, difícil de enunciar, que se poderá nomear como “sensibilidade prática”. Ou seja, a apropriação dos conhecimentos das diversas áreas que, com generalidade, se apontaram deverá ser complementada (e isto é absolutamente essencial!) com uma capacidade que permita estabelecer um processo de integração dos conhecimentos em causa.

O profissional em Engenharia Acústica deverá, em consequência, reunir as características seguintes:

a)       Experiência profissional consolidada, que permita encarar as questões numa perspetiva de integração sistémica e de atenção ao detalhe;

b)       Conhecimentos de natureza teórica e aplicada da física dos fenómenos ondulatórios, considerando a propagação na atmosfera e em meios elásticos, não necessariamente gasosos;

c)       Conhecimento do referencial legal que enquadra a atividade, bem como de requisitos de natureza normativa ou outros que devam ser tomados em conta na abordagem de cada uma das questões que tenha de encarar;

d)       Conhecimento dos equipamentos de medição utilizados na área específica em que exerça a sua atividade, com profundidade suficiente para saber organizar ações de medição e interpretar os resultados que delas receba.

E isto…já será de mais para se encontrar em supermercado o equivalente ready made. E ainda bem, para que, para além de licenciados ou… de supermercado não viéssemos a ter engenheiros, com proveniência idêntica.

Diz a sabedoria popular que a virtude está no meio do termo. Apontámos os males dos “8” mas a virtude não estará nos “80”, isto é, em exercícios de conhecimento virtuosista, que arredem o bom senso, conduzindo a resultados herméticos, a priori apenas acessíveis a iniciados, afigura-se com esquecimento de uma fase fundamental do processo que é a transmissão à Obra.

Atente-se, pois, à tal boa regra da localização da virtude, isto é, que o projeto apresente o necessário e o suficiente.

E assim ter-se-á um instrumento útil para a boa realização da Obra em sentido global: funcional e económico.

DIGA LÁ, DIGA LÁ COMO É…

É verdade que, nos auditórios, em particular nos tetos, devem evitar-se superfícies planas extensas?

De facto, uma superfície plana extensa pode dar origem a uma reflexão especular, um pouco como um espelho a refletir a luz do Sol e, tal como esta luz assim refletida pode encandear, a reflexão sonora na superfície em causa pode criar distorção de intensidade nalguma área da audiência. Assim, devem preferir-se superfícies convexas, eventualmente com “irregularidades” que possam contribuir para a difusão do som, logo ajudando a estabelecer maior homogeneidade nas características dos campos sonoros estabelecidos na zona ocupada pela assistência.

ULTRASSONS PARA APANHAR PEIXES?

O Sonar, do inglês Sound Navigation and Ranging, é um instrumento auxiliar da navegação marítima. Este sistema inicialmente empregado na localização de submarinos é, hoje em dia, também usado no estudo e pesquisa dos fundos dos oceanos e na pesca, para a localização de cardumes.

O princípio básico de funcionamento do Sonar é a emissão de ultrassons por um aparelho colocado nos navios, acoplado a um recetor de som. O som emitido propaga-se na água, reflete-se no fundo dos oceanos ou nos objetos (por exemplo, peixes), retorna e é captado pelo recetor, que registra a variação de tempo entre a emissão e a receção do som, a partir do que é determinada a distância e a velocidade do objeto. Na utilização para a localização de cardumes, recolhe-se não só informação acerca desta localização como das dimensões do cardume e do tipo de peixes em causa.

E  não só na captura de peixes, mas, também, para apanhar a “dor”, os ultrassons têm campo vasto de aplicação, devendo, ainda, sublinhar-se que este campo de aplicações na área da medicina é bastante mais alargado, seja no diagnóstico ou na terapêutica.

mundo acústica

DO MUNDO DA ACÚSTICA

GUSTAV MAHLER

Gustav Mahler (nascido em Kalischt, Boêmia – Império Austro-Húngaro – atualmente República Checa, a 7 de julho de 1860, morre em Viena, 18 de maio de 1911) maestro  e compositor, considerado como um dos maiores compositores lembrado por ligar a música do século XIX com o período moderno, e pelas suas  sinfonias e ciclo de canções sinfônicas, como, por exemplo, Das Lied von der Erde (A Canção da Terra). É considerado também um exímio orquestrador, por usar combinações de instrumentos e timbres que  expressassem as suas intenções de forma extremamente criativa, original e profunda. As suas obras, principalmente as sinfonias, são geralmente extensas e com orquestração variada . Mahler procurou romper os limites da tonalidade, posto que em muitas das suas obras há longos trechos que parecem não estar em tom algum.

GUSTAV MAHLER


Tagged . Bookmark the permalink.

About Carla Alves

Carla Alves, Licenciada em Engenharia Civil pela Universidade da Beira Interior. Engenheira Civil Efectiva da Ordem dos Engenheiros. Faço projectos de especialidade de Engenharia Civil com freelancer e estou à procura de um emprego em Engenharia Civil.

One Response to ENGENHARIA ACÚSTICA

  1. Para se destacar no mercado é importante acrescentar sempre mais conhecimento e para isso nada melhor do que fazer um curso técnico da área! Eu aconselho dos cursos da Comêxito que são muito famosos no mercado.
    Confira aqui as melhores opções: https://www.facebook.com/comexito.com.br/ e https://www.linkedin.com/in/com%C3%AAxito-consultoria-e-engenharia-ltda-13581132?trk=hp-identity-name

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *